Educação e Tecnologia

Antecipando a realidade industrial

educacao_tecno1_topo

A Comau investe em educação e compartilha conhecimento e tecnologia 4.0 com universidades

Por Inês Pereira

 

Qual é a importância da participação das empresas no mundo acadêmico? Esta é uma pergunta recorrente que reflete a preocupação de toda a cadeia produtiva em como será feita a transição do atual chão de fábrica para a quarta revolução industrial. A Comau tem a resposta na ponta da língua. Há quase uma década, a companhia investe na ideia de interagir com a academia. No exterior, mantém dois cursos de pós-graduação. No Brasil, está presente em universidades de Belo Horizonte, da Paraíba e de Pernambuco. Com o Instituto Avançado de Robótica (I.A.R.), firmou um acordo de apoio ao desenvolvimento de mão de obra treinada em tecnologia Comau. E pretente ir além: analisa vários planos de expansão, incluindo escolas técnicas do SENAI e FabLabs.

Com mais de 40 anos de experiência em sistemas avançados de comunicação, automação e inovação, a Comau acredita que a antecipação da realidade empresarial e industrial é fundamental para que os alunos possam ingressar no mercado mais preparados e antenados com o que está acontecendo na prática. “No projeto com as universidades, que mantemos desde 2011, fornecemos equipamentos para os laboratórios de robótica. Oferecemos apoio ao processo de pesquisa dos acadêmicos que utilizam nosso equipamento nos trabalhos realizados com a estrutura dos laboratórios”, conta Felipe Madeira, Head of Marketing & Customer Care LATAM, da Comau.
Para Madeira, as empresas devem sempre buscar participar no mundo acadêmico, seja nos centros de excelência mundiais, onde as novas tendências são embrionadas, seja em regiões locais, como no Brasil, para que não seja perdido o bonde do progresso. O bom relacionamento com as universidades e as contínuas chamadas para parcerias demonstram o sucesso desse pensamento. “Globalmente já temos em nossos quadros alguns colaboradores egressos dos programas com universidades. No Brasil, estamos começando a colher os primeiros resultados”, diz.

 

Soluções para sala de aula

As soluções da Comau que participam do ambiente acadêmico são flexíveis e de fácil interação com os usuários. Ao mesmo tempo, são utilizadas nas principais e mais modernas fábricas do país. “O aluno é estimulado a aproximar-se de uma tecnologia que antes era percebida como distante, complexa e exclusiva”, explica. O professor pode utilizar o Racer3 — um robô portátil que pesa somente 30 kg, tem fácil manuseio e pode ser transportado sem uma logística complexa. O Racer3 pode ser ambientado em várias situações na escola ou em seus laboratórios de modo simples. A energia de alimentação é comum, basta ter por perto uma tomada 220 V.

“Nosso novo lançamento na área da robótica educacional, a plataforma e.Do, é um novo exemplo de equipamento indicado para fins didáticos”, conta Madeira.

Fácil de montar, o e.Do tem uma interface de controle simples, projetada para permitir que alunos de todas as idades criem, aprendam e joguem com a robótica. O equipamento apoia os métodos de ensino tradicionais, estimulando a criatividade e a participação das classes.

 

Pós no exterior

A Comau realiza dois cursos na Europa em nível de pós-graduação. Ambos são destinados a profissionais recém-formados, ou com experiência, que visam apresentar a visão da indústria em um modo estruturado e acadêmico. Tendências em tecnologia, gestão de processos e gestão de pessoas são temas abordados no conteúdo programático dos cursos. O Mestrado em Automação Industrial, em Turin, na Itália, tem o foco de amadurecer e solidificar as habilidades com trabalho de campo e fornecer a contratação imediata. Já o Mestrado Executivo em Automação de Fabricação e Transformação Digital ajuda as empresas e os indivíduos a desenvolver as habilidades necessárias para construir as soluções avançadas de automação industrial do futuro. Esse curso é fruto da parceria da Comau e a ESCP Europe, a mais antiga escola de negócios do mundo, fundada em 1819, em Paris.

 

Desafios da nova geração

O mercado está experimentando a realidade em que vivemos. Ou seja, o acesso rápido à informação, a velocidade de decisões e as tendências estão cada vez mais presentes e desafiadores para quem deseja estar sempre atualizado. “Os profissionais atuais e os futuros precisam imaginar que o tempo, a paciência e a cobrança de resultados estão modificados nos dias atuais e serão transformados em aceleração nunca vivida anteriormente”, analisa.

As competências para esses profissionais, da mesma forma, já são outras, se comparadas ao início do milênio. “Capacidade de compartilhar, trabalhar em comunidades onde nem sempre todos os integrantes são conhecidos, dividir e acessar informação de maneira informal e sem cobrança de retorno são competências que não eram necessárias no passado”, exemplifica. Para o gestor, um dos recursos mais escassos que teremos no futuro é a paciência: “Não será mais permitido aguardar resultados, gastar recursos financeiros ou naturais sem uma cobrança absurda. Quem souber melhor lidar com a falta de paciência do universo moderno, será um profissional que apresentará um diferencial”.

 

Felipe Madeira, da Comau: Felipe Madeira, da Comau: “Modelos atuais serão obsoletos em breve. A única certeza é a mudança”

 

Na opinião do executivo da Comau, o gap de mão de obra qualificada ainda é uma preocupação para a indústria da manufatura, mas a maneira de lidar com este problema está mudando. Se a mão de obra qualificada não estiver disponível em determinada região, ela será encontrada em outro local. “Soluções de problemas em modo compartilhado podem mitigar a falta de qualificação presente nos quadros corporativos”. Ele explica que parte dos processos industriais serão feitos externamente à empresa num certo modo de consórcio. Não será mais verticalizado e a necessidade de especialistas em várias áreas do conhecimento irá diminuir.

Entretanto, Madeira ressalva que, quem tiver certeza do que ocorrerá nos próximos anos, estará muito desinformado. “Algumas novas áreas do conhecimento e profissões irão surgir e modelos atuais serão obsoletos em breve. A única certeza serão as mudanças”. Para não perder competitividade, será necessário se manter atualizado sobre o que acontece em nosso ambiente, ter a capacidade de mudar e ser flexível. “Essas serão as melhores competências a se apoiar, além da capacidade de lidar com a pouca paciência dos chefes e clientes. Tudo será muito veloz e efêmero, portanto não ficar amarrado em velhas crenças ajudará a se destacar neste cenário”.

 

Comau, em resumo

educacao_tecno1_01

A Comau, marca do grupo italiano FCA (Fiat Chrysler Automobiles), tem 44 anos de experiência em sistemas avançados de comunicação e presença em 17 países. No Brasil, a Comau atua desde 1995, com sedes corporativas em Santo André, onde mantém uma central de Serviços para reparo e manutenção de equipamentos; em Betim, que conta com um centro logístico e de manufatura, e um escritório regional em Pernambuco. Suas soluções inovadoras de alta qualidade, seus robôs e produtos automatizados, impactam uma ampla faixa de indústrias. Totalmente sintonizada no futuro, desenvolve aplicativos que operam com tecnologia de automação de processos nas indústrias automotiva, aeroespacial, petroquímica, militar, construção naval e consultoria em eficiência energética. A Comau também atua no ramo de manutenção industrial e facilities, diagnóstico e planejamento de serviços, gestão de processos e engenharia com foco em produtividade.

Sem comentários

Enviar comentário

August 23rd, 2017
O MUNDO DA USINAGEM é uma publicação da Sandvik Coromant do Brasil
Toedos os diretos reservados. Administrado por Teorema Imagem e Texto